• BiuNewsbytePhotoOctober2015a.jpg
  • Campus_Ramat_Gan.jpg
  • DSC00137.jpg
  • DSCN8738.jpg
  • DSCN8753.jpg
  • DSCN8791.jpg
  • Edificio_Jim_Joseph.jpg
  • Estudio_de_Tora.jpg
  • HonorisCausa20151.jpg
  • JULY2018.jpg
  • NB042018.jpg
  • NB042018b.jpg
  • NB0717A.jpg
  • NB092017A.jpg
  • NB092017BES.jpg

NewsBytes portuguese july 2018 1Alzheimer, que afeta cerca de 47 milhões de pessoas em todo o mundo, ainda é um distúrbio cerebral irreversível e mortal. A vacina desenvolvida pelo Dr. Eitan Okun,concentra-se na proteína beta-amilóide, que se acumula no cérebro de pessoas que sofrem desta doença mortal. A maioria das vacinas funciona trazendo uma resposta imune a um agente patogênico enfraquecido para aumentar a capacidade do sistema imunológico de combater o verdadeiro patógeno. A vacina Okun prepara o corpo para atacar o acúmulo de proteína beta-amilóide no cérebro.

"Dependendo dos resultados positivos e dos efeitos colaterais dos testes [com humanos], saberemos quanto tempo levará para a vacina estar no mercado mundial. Estou convencido de que o foco na vacinação é o caminho para combater as doenças neurodegenerativas ", diz Okun. Além da vacina, ele está investigando novas formas de diagnosticar com sucesso a doença de Alzheimer em estágios iniciais por meio de tecnologias avançadas de ressonância magnética para detectar os sinais iniciais de grupos de proteínas amilóides acumulados no cérebro.

Okun fez mestrado e doutorado em imunologia na Universidade Bar-Ilan e recebeu uma bolsa de estudos para seu pós-doutorado nos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos. Ele é professor da Bar-Ilan, na Faculdade Mina e Everard Goodman de Ciências da Vida.Além da vacina, ele aconselha uma combinação de exercício físico e estimulação ambiental para ajudar o cérebro a evitar a doença de Alzheimer, aumentando e fortalecendo as conexões das espinhas dendríticas que interferem em nossa capacidade de gerar memórias.

"No nosso laboratório, usamos técnicas multidisciplinares para atingir dois objetivos: identificar os mecanismos neuronais associados ao comprometimento cognitivo leve e, ao mesmo tempo, procurar indicadores que permitam aos médicos identificar os pacientes em risco, para que possam receber tratamento preventivo para demência antes que seja tarde demais ", disse Okun "Nosso desafio é encontrar pistas na biologia molecular e na bioquímica do cérebro que indiquem que há um problema e nos fornecer possíveis alvos nos quais nos concentrar para uma intervenção farmacológica precoce".

Pin It