• BiuNewsbytePhotoOctober2015a.jpg
  • Campus_Ramat_Gan.jpg
  • DSC00137.jpg
  • DSCN8738.jpg
  • DSCN8753.jpg
  • DSCN8791.jpg
  • Edificio_Jim_Joseph.jpg
  • Estudio_de_Tora.jpg
  • HonorisCausa20151.jpg
  • JULY2018.jpg
  • NB042018.jpg
  • NB042018b.jpg
  • NB0717A.jpg
  • NB092017A.jpg
  • NB092017BES.jpg

NewsBytes may 2019Não há mais necessidade de produtos químicos tóxicos que prejudicam o meio ambiente e danificam direta e indiretamente nossos corpos. O desenvolvimento único do Laboratório Eletroquímico da Universidade Bar-Ilan, liderado pelo Prof. Doron Orbach, trouxe ao mundo um poderoso desinfetante com a capacidade de destruir completamente todos os tipos de bactérias, esporos e vírus, incluindo medicamentos super resistentes aos antibióticos.

Este processo é alcançado usando eletrodos em forma de nanômetros colocados em um frasco de spray compacto. O encontro entre os eletrodos e a água da torneira que é bombeada para o aerossol pelo usuário cria o desinfetante.

A tecnologia inovadora pode ser implementada para uma ampla variedade de aplicações. Alguns exemplos são: aerossóis para desinfetar superfícies e móveis em hospitais, desinfetantes para as mãos, pesticidas para lavar frutas e legumes, produtos para limpeza de calçados e purificadores de ar que saem do sistema de ar condicionado para o ambiente. O valor agregado da invenção será a eliminação dos recipientes descartáveis dos desinfetantes atuais. Existem muitos antissépticos no mercado chamados  antibacterianos, mas o material à base de água é infinitamente mais barato, três vezes mais letal, sete vezes menos tóxico para as pessoas e mata uma quantidade muito maior de bactérias.

NewsBytes April 2019 aUm novo estudo revela que durante as horas do sono uma tarefa de limpeza e conserto é realizada nas células do cérebro, onde durante o dia elas acumulam fragmentos quebrados de DNA. "Acho que esta é uma das razões pelas quais precisamos dormir", explica Lior Appelbaum, pesquisador da Universidade Bar-Ilan. "Um período de desconexão nos dá tempo para limpar tudo para, no dia seguinte, começar tudo de novo do zero", explicou.

Appelbaum e David Zada analisaram que, se o sono tivesse evoluído em todos os organismos que têm um sistema nervoso, ele poderia funcionar no nível de cada neurônio. Para observá-lo, eles fazeram modificações genéticas no “zebra danio”, um peixe transparente, de tal forma que os cromossomos de seus neurônios tivessem cores químicas. Com um microscópio especial, observaram as células enquanto o zebra danio estava acordado e enquanto dormia.

Durante o dia, os cromossomos não se moviam muito; Fios quebrados de DNA se acumularam nos neurônios, como parte do desgaste natural da vida. Ao dormir, por outro lado, os cromossomos mostraram atividade e mudaram de forma, enquanto a quantidade de DNA descartada foi drasticamente reduzida. A mesma dinâmica foi observada quando os peixes foram privados de sono e quando foram induzidos a dormir com remédios.

Os cientistas registraram imagens em 3D com o desenvolvimento ao longo do tempo para estudar o peixe. Eles foram capazes de observar os cromossomos individuais e, pela primeira vez, demonstraram
que os neurônios precisam de sono para sua manutenção.

Depois de analisar o fenômeno no zebra danio - que, além de ser transparente, tem um cérebro com características comparáveis às do cérebro humano - os pesquisadores esperam estudar ratos para ver se o
movimento de cromossomos e reparo de DNA é semelhante aos ciclos de vigília e sono em mamíferos.

NewsBytes Spanish july b 2018

A Universidade Bar-Ilan, em Ramat Gan, está embarcando em seu mais ambicioso programa de contratação de professores até hoje. A universidade planeja recrutar 100 novos pesquisadores na próxima década para posições acadêmicas nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, mais comumente conhecidas como STEM. A universidade tem aperfeiçoado essas disciplinas, incluindo o campo relacionado à medicina, como resposta às necessidades econômicas, científicas, de segurança e de saúde do Estado judeu.

Uma delegação de professores da Universidade de Bar-Ilan começou o processo de seleção esta semana se reunindo com cientistas, médicos e engenheiros judeus sediados nos EUA que são candidatos em potencial para postos de trabalho em Israel. Os professores estão fazendo entrevistas pessoais com eles. Quase 100 candidatos pré-selecionados devem comparecer.

A delegação Bar-Ilan inclui a professora Shulamit Michaeli, vice-presidente de pesquisa e ex-reitora de Mina e Everard Goodman Faculdade de Ciências da Vida; a professora Sharon Ruthstein, do departamento de química; o professor Alex Fish, da faculdade de engenharia, que lidera a área de nanotecnologia e o Centro de Impacto para o Projeto de Circuitos em Nano escala e Sistemas Integrados; e o professor Yonatan Aumann, diretor do departamento de ciência da computação. As feiras são organizadas em parceria com a ONG ScienceAbroad, em cooperação com o Ministério da Imigração e Absorção. As feiras acontecem nos centros da ScienceAbroad em Washington, DC; Nova York; Boston; L.A.; San Diego; Stanford e Berkeley. Em 2006, a Universidade Bar-Ilan lançou um programa chamado "Returning Scientists" para recrutar pesquisadores israelenses que estavam trabalhando fora de Israel nas mais diversas universidades de prestigio. Estes cientistas que retornaram se juntaram à Escola Azrieli de Medicina na Bar Ilan; a Mina e Everard Goodman Faculdade de Ciencias da Vida; Faculdade de Engenharia Alexander Kofkin e aos departamentos de química, informática, físicae matemática.

Eles vieram de instituições como a Universidade de Harvard, a Universidade de Stanford, a Universidade de Yale, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, e dos Institutos Nacionais de Saúde, o ETH-Zurique e outros.

NewsBytes march 2019

A Profa.Rachela Popovtzer, realiza uma pesquisa para desenvolver um marcador radioativo, baseado em nano partículas, para a detecção de câncer. O objetivo deste estudo é facilitar, pela primeira vez, a distinção entre tumores e inflamação.
O método de imagem mais comum para diagnosticar e controlar o câncer hoje em dia é a tomografia por emissão de pósitrons (PET) usada com o material de contraste radioativo uorodeoxyglucose (FDG). No entanto, o FDG fornece altas taxas de falsos positivos, levando a falsas observações terapêuticas e altos custos para os sistemas de saúde.

O principal problema é que o teste não só detecta tumores, mas também inflamações, o que dificulta a diferenciação entre tumores cancerígenos e inflamação.
"A tecnologia que estamos desenvolvendo é importante porque permitirá aos médicos fazer um diagnóstico melhor", disse a Profa. Popovtzer. "Outra vantagem é que ela será usada em centros de PET / CT existentes e usará equipamentos que já estão em operação, sendo assim, muito mais econômica ".

NewsBytes portuguese july 2018 1Alzheimer, que afeta cerca de 47 milhões de pessoas em todo o mundo, ainda é um distúrbio cerebral irreversível e mortal. A vacina desenvolvida pelo Dr. Eitan Okun,concentra-se na proteína beta-amilóide, que se acumula no cérebro de pessoas que sofrem desta doença mortal. A maioria das vacinas funciona trazendo uma resposta imune a um agente patogênico enfraquecido para aumentar a capacidade do sistema imunológico de combater o verdadeiro patógeno. A vacina Okun prepara o corpo para atacar o acúmulo de proteína beta-amilóide no cérebro.

"Dependendo dos resultados positivos e dos efeitos colaterais dos testes [com humanos], saberemos quanto tempo levará para a vacina estar no mercado mundial. Estou convencido de que o foco na vacinação é o caminho para combater as doenças neurodegenerativas ", diz Okun. Além da vacina, ele está investigando novas formas de diagnosticar com sucesso a doença de Alzheimer em estágios iniciais por meio de tecnologias avançadas de ressonância magnética para detectar os sinais iniciais de grupos de proteínas amilóides acumulados no cérebro.

Okun fez mestrado e doutorado em imunologia na Universidade Bar-Ilan e recebeu uma bolsa de estudos para seu pós-doutorado nos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos. Ele é professor da Bar-Ilan, na Faculdade Mina e Everard Goodman de Ciências da Vida.Além da vacina, ele aconselha uma combinação de exercício físico e estimulação ambiental para ajudar o cérebro a evitar a doença de Alzheimer, aumentando e fortalecendo as conexões das espinhas dendríticas que interferem em nossa capacidade de gerar memórias.

"No nosso laboratório, usamos técnicas multidisciplinares para atingir dois objetivos: identificar os mecanismos neuronais associados ao comprometimento cognitivo leve e, ao mesmo tempo, procurar indicadores que permitam aos médicos identificar os pacientes em risco, para que possam receber tratamento preventivo para demência antes que seja tarde demais ", disse Okun "Nosso desafio é encontrar pistas na biologia molecular e na bioquímica do cérebro que indiquem que há um problema e nos fornecer possíveis alvos nos quais nos concentrar para uma intervenção farmacológica precoce".